Bem vindo/a ao Sobral de Monte Agraço

Património Religioso

Capela de Nossa Senhora da Fé

Esta capela do início do século XVII, como o confirma a laje sepulcral existente no pavimento com data de 1606, está localizada na aldeia de Zibreira da Fé. Com uma nave, apresenta um teto de madeira, em masseira e um púlpito com uma laje bem moldurada e balaústres da teia são de mármore. A capela-mor tem teto de berço, com caixotões simples e o seu retábulo pertence ao final do séc. XVIII. Nele se veneram três boas imagens: a do orago, a de S. Francisco (século XVII) e a de Santa Eufémia (século XVIII). No interior da capela há, ainda, uma notável imagem de madeira policromada de Nossa Senhora e o Menino.

No exterior, no canto superior direito da fachada principal encontra-se um relógio de sol.

MORADA
  • Zibreira da Fé | 2590-293 Sobral de Monte Agraço

Capela de Nossa Senhora da Luz

A pequena capela de Nossa Senhora Luz situa-se na aldeia de Patameira. Nela merece particular destaque os silhares de azulejos azuis e brancos do século XVIII, compostos por sete painéis da vida da Virgem com molduras de motivos de tupo “rocaille”. A capela-mor apresenta silhares de azulejos da mesma série, que representam a Anunciação, Visitação, Presépio e Adoração dos Magos. O retábulo é simples e de madeira, com quatro colunas estriadas e o frontal do altar é de talha dourada. Na sacristia assinala-se um lavabo de pedra do século XVIII.

MORADA
  • Patameira de Cima | 2590-509 Sobral de Monte Agraço

Capela de Nossa Senhora da Saúde

Capela do tipo rústico seiscentista, com vestígios ainda da velha alpendrada, está localizada na aldeia de Fetais. No seu interior, destacam-se os azulejos de tapete que forram, em três padrões, as paredes da nave. Sobre o arco triunfal, há pequeno registo de azulejos policromáticos com a imagem de Nossa Senhora da Saúde. Sobrepõe-se à porta da sacristia um gracioso painel de azulejos policrómicos, alusivo à construção de uma ponte.

MORADA
  • Largo da Mina – Fetais | 2590-270 Sobral de Monte Agraço

Capela de Nossa Senhora do Desterro

Pequena capela de raiz setecentista está localizada no largo interior da povoação de Pero Negro. A sua estrutura arquitetónica é muito modesta: alçado simples e nave única, retangular, que comunica por um arco de triunfo com a zona da capela-mor, orientada a poente. Destaca-se o lavabo, esculpido em calcário, que está na sacristia. No seu exterior, destaca-se, pelo interesse artístico, o campanário de pedra lioz que se levanta sobre um bloco maciço adossado à parede lateral norte do corpo da nave.

MORADA
  • Pero Negro | 2590-425 Sobral de Monte Agraço

Capela de S. Salvador do Mundo

Num lugar chamado Salvador, recôndito num primeiro olhar, encontramos, inesperadamente, as origens do concelho de Sobral de Monte Agraço. Outrora, denominado de “Montagraço”, ali se localizaram, até meados do século XVI, os edifícios públicos da época: o paço Episcopal, a Igreja, o Pelourinho e a casa dos homens-bons do concelho. A comprovar este período histórico está um edifício, datado do século XIII, que revela a ambivalência do período de transição do românico para o gótico e que é reconhecido como um dos mais interessantes templos medievais da região de Lisboa – a Capela de S. Salvador do Mundo.

Classificada como IIP – Imóvel de Interesse Púbico desde 1955, a capela é considerada um elemento fundamental para a compreensão das origens históricas e do povoamento do concelho de Sobral de Monte Agraço.

A visita ao seu interior está condicionada, sendo possível, nalguns casos, mediante marcação prévia através do posto de turismo municipal, turismo@cm-sobral.pt

MORADA
  • Cachimbos - Santo Quintino | 2590-211 Sobral de Monte Agraço

Capela de Santo Amaro

Localizada na aldeia de Martim Afonso, a construção desta capela data, provavelmente, do século XVIII. Dedicada a Santo Amaro, padroeiro dos coxos, as paredes interiores da capela encontram-se decoradas com muletas, bengalas e outros objetos em que se apoiavam os coxos. Possui uma só nave e é através da sacristia que se tem acesso ao coro e ao púlpito de madeira, localizado na parede do lado esquerdo da nave. Está dividida em duas zonas diferenciadas pelo tratamento dos pavimentos e dos tetos, consequência de obras de uma obra de ampliação. A capela-mor e parte da nave adjacente têm pavimento de madeira e cobertura em abóboda de berço semicircular e o restante espaço apresenta lajedo e teto de madeira, em masseira.

MORADA
  • Rua dos Moinhos – Martim Afonso | 2590- 277 Sobral de Monte Agraço

Igreja de Nossa Senhora da Purificação

Pequena igreja de fundação antiga, que ainda conserva o seu portal manuelino. No exterior é visível um antigo relógio de sol.

No seu interior destaca-se o coro alto, sustentado por duas colunas com pias de água benta incorporadas nos fustes; duas outras pias de água benta, uma das quais é um exemplar elegante e de bastante interesse, com uma decoração de tipo renascentista. Nas paredes, a faixa inferior dos azulejos seiscentistas é do tipo maçaroca e os altares colaterais são forrados com azulejos hispano-árabes. A capela-mor apresenta nas paredes dois painéis pombalinos, de pintura bastante correta e com composição da figuração bem construída. Na sacristia, é de registar um pequeno arcaz do séc. XVII, com ferragem e um pequeno oratório com pinturas e talha.

MORADA
  • Avenida Igreja - Sapataria | 2590-430 Sobral de Monte Agraço

Igreja de Nossa da Vida

A igreja de Nossa Senhora da Vida, mandada edificar em 1772, veio substituir a velha matriz da vila. Arquitetonicamente edificada à semelhança da Igreja de Santa Isabel, em Lisboa, da qual Joaquim Inácio da Cruz foi feito padroeiro pelo Cardeal, a sua construção foi dirigida por Reinaldo Manuel dos Santos, conhecido na história de Portugal por ser o arquiteto responsável pela reconstrução de Lisboa após o terramoto de 1755.

Construída em boa pedraria, o edifício apresenta uma nave alta e bem iluminada, com um grande arco triunfal. Possui cinco altares e um coro de três arcos. Foi dedicada ao culto de Nossa Senhora da Vida, já venerada numa anterior ermida existente na vila, há mais de cem anos.

No seu interior, observa-se um pequeno painel de azulejos que retrata um episódio ocorrido durante a sua construção, quando um dos irmãos Cruz sofreu um grave acidente enquanto visitava as obras e destacam-se, no altar evocativo da Crucificação de Cristo, as relíquias de Santa Aurélia. O dinheiro obtido com as esmolas e leilões era depositado no cofre da Santa e, depois, utilizado para fins de caridade. Serviu, por exemplo, para empréstimo a pessoas carenciadas, para o pagamento da vinda de um médico à vila e para ajudar a população a recuperar das perdas provocadas pela invasão da vila pelas tropas francesas.

Em meados do século XIX, os segundos condes de Sobral cederam esta igreja, então privada, à paróquia, devido ao mau estado em que se encontrava a antiga igreja de S. Salvador do Mundo.

Durante a instabilidade que marcou a primeira república (1919) a igreja foi assaltada e parcialmente destruída, acabando mesmo por ser encerrada e regressar às mãos dos condes de Sobral. Reabriu quinze anos mais tarde, após algumas obras de restauro.

Na década de oitenta, os 6.ºs Condes de Sobral, António e Maria Ana Passanha Braamcamp Sobral, fizeram nova doação da Igreja para servir de Igreja Paroquial.

A sua melhor alfaia é uma riquíssima custódia, depositada no Patriarcado de Lisboa.

HORÁRIO
  • De terça-feira a sexta-feira | Das 09h30 às 18h00 e Fim de semana das 09h30 às 19h00
MORADA
  • Praça da República | 2590-045 Sobral de Monte Agraço

Igreja de Santo Quintino

A igreja de Santo Quintino é um dos mais belos templos de arquitetura manuelina e renascentista. Mandada construir pelo rei D. Manuel I, em 1520, é considerada monumento nacional (MN) desde 1910. É visitada regularmente por estudantes e turistas rendidos à diversidade artística da azulejaria, pintura e escultura que apresenta.

Este templo de assinalável qualidade estética é, hoje, o resultado de várias intervenções feitas em diferentes épocas, que combinaram várias linguagens artísticas, desde o manuelino até ao renascimento, passando por reformas barrocas do século XVIII. Estes contributos fizeram dele um verdadeiro mostruário de azulejaria e de estilos arquitetónicos e artísticos distintos. No exterior, destaca-se o pórtico, envolvido por pilastras e por um frontão triangular e o arco, enquadrado por uma composição de vários elementos decorativos de estilo manuelino e renascentista. No nicho axial, ladeado por dois medalhões com os bustos do rei D. João III e de sua esposa D. Catarina, encontrou-se, em tempos, a antiga imagem de Santa Maria de Monte Agraço. Do lado direito do pórtico é percetível uma porta em arco quebrado entaipado que tudo indica ter pertencido a um anterior templo medieval, provavelmente dedicada ao culto de Santa Maria de Monte Agraço.

No seu interior merece um olhar atento os grandes painéis de azulejo do século XVII (silhar superior) e do século XVIII (silhar inferior) com um característico motivo de albarradas; os azulejos hispano-mouriscos da capela-mor e da capela de S. Pedro; a imagem da Nossa Senhora da Piedade, padroeira da Igreja; e do período quinhentista, o invulgar púlpito de pedra; as imagens de Santo Quintino e de S. Pedro; o batistério, um dos mais harmoniosos exemplares quinhentistas, da autoria de Simão Correia; e as cinco tábuas do início do maneirismo nacional, atribuídas ao Mestre de S. Quintino, e que são o que resta do desmembramento do retábulo maneirista da igreja.

HORÁRIO DE VISITA
  • Fim de semana: Das 15h00 às 17h00 (inverno) e das 15h00 às 18h00 (verão)
MORADA
  • Largo Dom Manuel I – Santo Quintino | 2590-288 Sobral de Monte Agraço
X